Card image
Especiais
Coluna do Barros: Andar equipado ajuda, não faz milagre

2 Minutos de leitura

  • Publicado: 08/05/2019
  • Atualizado: 16/05/2019 às 18:15
  • Por: Marcelo Barros

Sofri um acidente testando moto no ano passado. É um risco que todo motojornalista – e todo motociclista – está exposto. Aprendi algumas coisas com a queda e quero compartilhar com você. Como deveria ser para todos, sempre avalio motos equipado: capacete fechado, luvas, botas, jaqueta, calça e protetor de coluna, tudo projetado para quem usa moto. Mas, pilotar assim significa estar protegido de todo mal? Infelizmente a resposta é… Não!

Explico com o meu caso. Caí em uma estrada de terra com muita pedra solta. Após uma frenagem forte perdi a frente, caindo para o lado esquerdo e fui escorregando até parar no para-choque de um caminhão que vinha no sentido oposto e já havia (por sorte) parado. Com a queda não sofri nada, mas ter bati o lado direito do corpo no para-choque.

Torci para a dor ser da batida, pois estava equipado até com bota de off-road, robusta, mas o médico trouxe a notícia dos ossos quebrados e que teria que fazer cirurgias. A pancada no para-choque rendeu fraturas do lado direito, na tíbia, fíbula (ossos da perna) e radio (no antebraço). Meu mundo caiu. Saí de Itu (SP) e voltei para a capital paulista, onde fui operado. Pelo médico, a previsão para andar sem muletas era em junho, com três meses das cirurgias e deu tudo certo, felizmente. O curioso é que meu caso foi visto como simples.

Entendi pelos relatos que ouvi desde o resgate até o pós-operatório sobre outros acidentados com moto, com lesões mais graves que as minhas, quando não morreram… Algo em comum nos relatos? A falta dos equipamentos de segurança. Para andar equipado terá que investir dinheiro em proteções. Percebeu que falei investir e não gastar? Porque é um bom investimento na coisa mais importante: o seu corpo!

Eles ajudam muito em um acidente, mas não são garantia de sair ileso. Se cair e encontrar com algo fixo no caminho, ele apenas evitará uma lesão maior. No meu caso, sem proteção, teria sido fratura exposta ou mais lesões, que poderia aumentar meus três meses ‘de molho’ para um ano, ou para nunca mais andar, ou pior, não estar mais aqui para compartilhar esse relato.

Aprenda que pilotar protegido é muito melhor que andar bonito, afinal, nunca se sabe o que pode acontecer na próxima curva. E isso vale também para quem anda equipado e deixa o (a) passageiro (a) desprotegido (a). Cuide-se, cuide também de quem anda contigo na moto. Nunca perca o foco na pilotagem e aproveite o melhor da moto, todos os dias!