Card image
Testes

Yamaha YZF-R3 ABS leva o fôlego das pistas para o dia a dia

6 Minutos de leitura

  • Publicado: 06/05/2023
  • Por: Alexandre Nogueira

A Yamaha YZF-R3 chega em versão 2023 com novas cores, o inconfundível azul Racing Blue da marca e a nova roxa Phanton Purple.

A Yamaha YZF-R3 agrada ao público com seu visual nitidamente inspirado nas irmãs superesportivas YZF-R6 e YZF-R1 e traz o DNA das corridas para os amantes da motovelocidade curtirem as correrias do dia a dia com muito estilo.

Ao montar nela você já nota o nível de sofisticação da máquina com o excelente nível de acabamento do cockpit. A mesa superior tem visual total race das irmãs maiores com os cortes verticais para aliviar peso. A posição de pilotagem não é agressivamente baixa como nas verdadeiras réplicas de corrida e proporcionam uma posição bem engajada com a motocicleta.

LEIA MAIS EM MOTOCICLISMOONLINE.COM.BR:

O motor bicilíndrico de 321 cm³ com duplo comando de válvulas no cabeçote DOHC para acionar as oito válvulas, entrega 42 cavalos de potência em 10.750 rpm e torque máximo de 3,02 kgf.m em ótimas 9.000 rpm. Por isso, a tocada da pequena R3 é bastante empolgante, com saídas de curvas espertas para os track days ou retomadas interessantes para ultrapassagens nas estradas. O câmbio de seis marchas é bem escalonado e aproveita muito bem as características do motor, com a primeira marcha bem curtinha e as demais bem próximas para não haver grande perda de rotações, mantendo o motor sempre cheio e esperto nas respostas.

PARA NÃO PERDER NENHUM DETALHE, CLIQUE AQUI
E SIGA M
OTOCICLISMO ONLINE NO GOOGLE NEWS

Mas é preciso saber trabalhar com as rotações do motor para extrair o seu melhor desempenho, por isso, se precisar de retomadas mais rápidas e radicais é só reduzir as marchas do câmbio de seis velocidades que o motor sobe de giro facilmente e vai na faixa descomunal das 10.000 rpm, que é onde ele adora funcionar, para mostrar todo o seu vigor.

A velocidade final fica pouco acima de 180 km/h quando em condições favoráveis, numa longa reta e de preferência num ambiente controlado como um autódromo. Na cidade o consumo fica na casa dos 20 km/l rodando normalmente e sem esticadas para acompanhar o fluxo, e na estrada a 100/120 km/h o consumo também fica na média dos 20 km/l, mas na tocada forte com o acelerador totalmente aberto cheguei a ver 8 km/l no computador de bordo do painel.

Pilotos com até 1,75 m de altura vão se sentir abraçando a nova R3, mas os mais altos, como no meu caso, podem se sentir um pouco apertados. Mesmo com a posição do guidão bem propícia para as pistas a tocada espartana em meio ao trânsito não é prejudicada, é bem natural e permite ótima agilidade, sem cansar. A posição da garupa é bem ao estilo superesportiva, o assento é confortável para o dia a dia, mas pode cansar numa viagem mais longa.

O chassi continua o mesmo diamante em aço com o motor fazendo parte da estrutura, o que garante alta resistência, leveza, agilidade e estabilidade em altas velocidades. Mas a grande novidade vem no novo garfo dianteiro invertido e pude comprovar a melhora na performance atacando curvas com maior confiança e com uma sensação de segurança incrível até então para a categoria.

Ao atacar curvas de baixa velocidade a R3 inclina com facilidade e contorna com precisão, e nas curvas de alta ela segue no trilho com ótima estabilidade e muita precisão, sem apresentar balanços ou titubear querendo sair da trajetória. A suspensão dianteira invertida não traz qualquer regulagem, mas transmite um feeling muito bom quanto à precisão ao atacar o ápice da curva depois de escolhida a trajetória. É apontar o caminho que a pequena R3 obedece o comando sem hesitar.

Acompanhe a MOTOCICLISMO também pelas mídias sociais!
– 
Instagram – Facebook – YouTube – Twitter

Na traseira, a balança assimétrica em aço ligada ao sistema Monocross, com um único amortecedor central com sete regulagens apenas na pré carga da mola, dá conta do trabalho de manter a roda traseira grudada no chão proporcionando melhor performance nas curvas e melhor tração.

O sistema de freios é suficiente para freadas muito fortes com o único disco dianteiro de 298 mm e o único disco traseiro de 220 mm equipados com sistema eletrônico ABS. A alavanca do freio dianteiro tem uma progressividade bem adequada para rodar na cidade, pois não tem aquela grampeada forte ao primeiro toque, e se mostra bem poderoso nas altas velocidades. As rodas são de 17 polegadas, como as melhores superesportivas, calçadas com pneus Metzeler Sportec de excelente grip para as ruas, mas para andar na pista é conveniente colocar um par de pneus mais adequados para garantir maior segurança nas inclinações insanas que a pequena R3 é capaz.

O painel é totalmente digital, com uma tela LCD retangular super completa quanto às informações de bordo e de rodagem, com odômetros parciais e computador de bordo com consumo instantâneo e médio. O painel conta ainda com uma discreta e útil shift light, que pode ser programada ao gosto do piloto, acima das 7.000 rpm, para fazer a troca de marchas na rotação que achar mais adequada. O farol e a lanterna são LED, mas as setas ainda continuam convencionais.

A Yamaha YZF-R3 é uma pequena esportiva apropriada para todos os dias e ainda proporciona muita adrenalina para se divertir com segurança num track day para o piloto treinar e extrair os limites da máquina. Uma excelente escola para iniciantes no universo da motovelocidade.

Uma semana à bordo da R3 2023 me deixou bastante contente com seu visual racing e sua tocada excitante, divertida e prazerosa. A Yamaha YZF-R3 ABS custa R$ 34.135 com frete incluso e conta com os 4 anos de garantia que somente a Yamaha oferece, reforçando toda a tradição e a qualidade desta máquina legitimamente japonesa.

Deixe seu Comentário

Conteúdo Recomendado

Comentários

[Fancy_Facebook_Comments_Pro language="pt_BR"]