yamaha-yz250f-2024-54-motociclismoonline-1
Testes

Yamaha YZ250F 2024 chega renovada para comemorar os 50 anos da linha YZ

7 Minutos de leitura

  • Publicado: 07/10/2023
  • Por: Alexandre Nogueira

A apresentação da Yamaha YZ250F 2024 tem sido para nós como uma espécie de “déjà vu”. Acontece que, por esta altura, mas no ano passado, a Yamaha convocou-nos para o lançamento da Yamaha YZ250F no circuito francês MC des Costieres, na cidade de Beauvoisin, localizada a cerca de 20 quilómetros a sul de Nîmes.

Exatamente o mesmo cenário desta ocasião, em que, além disso, a menor das YZF estreia grande parte das soluções de sua irmã mais velha, incluindo o chassi, o design da carroceria e outras modificações. Mas, na verdade, a percepção de “já ter vivido este momento” também gera um sentimento de alegria, pela diversão deste circuito natural francês e pelo bom gosto que a nova 450 azul nos deixara doze meses antes. Além disso, o exercício de repetir cenário parece muito útil porque é um circuito em que já temos referências e podemos apreciar claramente as mudanças de comportamento.

Texto: Marcos Abelenda

Edição: Alexandre Nogueira

LEIA MAIS:

Para contextualizar resumidamente, deve-se notar que, em comparação com as versões anteriores, a YZ450F 2023 oferecia um cockpit mais natural e estreito, além de um chassi muito mais ágil, embora, como apontamos na época, menos estável do que antes. O nervosismo da dianteira também transcendeu entre os donos da 450 azul e até mesmo entre os pilotos oficiais nas disputas MXGP e AMA.

Também não é surpreendente, porque para algo a nova geração da YZF tem aquele recesso na frente do tubo de direção e um suporte de número dianteiro longe dos postes, deixando uma grande lacuna para um possível amortecedor de direção – o do tipo magnético que a Yamaha continua a desenvolver no Japão.

É claro que os engenheiros da Yamaha tomaram nota desses comentários e agiram de acordo ao configurar a nova YZ250F 2024, que oferece um equilíbrio mais bem-sucedido do que sua irmã mais velha.

MOTOCICLISMO lança Scooter Catálogo 2023: download grátis!

Quando entramos na MX2 azul, poucos minutos depois de sermos surpreendidos admirando a bela versão 50th Anniversary , encontramos um cockpit muito melhor do que a versão anterior. A carroceria oferece uma fisionomia mais esbelta e natural, com notável estreiteza na dianteira, comparável à de uma 125 como pudemos verificar na França – a apresentação também incluiu algumas corridas com a YZ 125 equipada com o renovado kit de motor GYTR.

A nova configuração da YZ250F também se destaca pela posição mais natural das pernas, já que agora há mais distância entre o guidão – mais baixos – e o assento – mais alto – o que claramente facilita os gestos de se levantar e sentar enquanto dirige. Em geral, a mobilidade do piloto na moto é excelente.

Menos variam as características do guidão, que ainda não nos convence, porque é bastante alto e para a frente – mesmo na posição mais para trás nos bancos, que é de série -, e porque mantém aqueles eternos punhos Yamaha que são ásperos como um rebolo.

Siga a MOTOCICLISMO nas redes:
Instagram | Facebook | Youtube 
Twitter | GoogleNews

Outra novidade é que a YZ250F’24 é muito, muito alta, tanto na parada quanto ao subir na moto, pois as suspensões rendem muito pouco. Essa é justamente a chave que a MX2 japonesa oferece uma dose de estabilidade superior à sua irmã mais velha, já que o garfo e o amortecedor denotam uma configuração bastante firme e rígida, tanto trabalhando de altíssimo quanto reduzindo a transferência de pesos. 

É uma configuração semelhante a uma placa que, obviamente, reduz a sensação de conforto e a absorção de pequenos solavancos, mas é tremendamente eficaz em um ritmo alto, porque o conjunto é preciso e confiável. Em curvas parece muito mais gerenciável do que o modelo anterior, tanto no início da curva quanto no meio e no final da linha.

É especialmente apreciado em turnos com várias linhas às quais chegamos com pressa e improvisamos a escolha da linha no último momento; ou em longos sulcos de múltiplos ápices. Em ambas as situações a YZ250F nos ajuda a ter sucesso graças a um chassi muito reativo, sempre rápido de movimentos e fácil de corrigir.

A MX2 azul, ou melhor, branco, rosa e roxo, consegue essas capacidades atléticas mesmo sem sentir que está muito mais leve do que antes, porque na verdade a marca declara números de 99 e 105 quilos (vazios/cheios), apenas um a menos que o modelo anterior.

Durante a apresentação na França, o engenheiro japonês Atsushi Ishino, líder do projeto de desenvolvimento da YZF, explicou que a redução de peso não era um fim em si mesmo ao desenvolver a nova 250, mas alcançar o tipo de comportamento que eles estavam procurando. Tanto que, inclusive, acontece que o novo chassi é mais pesado que o anterior, mas era assim que se queria alcançar essa melhoria na agilidade – embora existam outros elementos como o subquadro e a bomba de gasolina que permitiram economizar alguns gramas.

Como apontamos anteriormente, as suspensões propõem uma configuração firme e muito “corrida”, que funciona muito bem em um ritmo alto, mas não será tão agradável para usuários de nível inferior. Pareceu-nos que é uma dureza por causa das molas, e não tanto hidráulica, algo positivo porque mudar as molas de acordo com o peso e nível de cada uma será suficiente para satisfazer seus futuros proprietários.

Menos surpresas trazem os freios, pois o conjunto da Nissin não recebeu alterações e mantém um ótimo desempenho, com sua característica bomba dianteira de toque fofo. A mecânica da YZ250F’24 não recebe tantas mudanças quanto a seção de ciclo, mas a verdade é que na pista notamos uma variação notável. É apreciado desde o primeiro momento em que ligamos o motor, que emite um som muito esportivo e até com um nível de som excessivo para o próprio piloto.

Em baixa, encontramos uma batida de gás muito forte e muito imediata, com uma clara sensação de ter optado por uma configuração muito agressiva, como se o avanço da ignição fosse muito, muito avançado. Isso nos convida a esquecer a primeira e a segunda marcha na grande maioria das curvas, pois a sensação de torque nos permite acelerar com energia em terceira marcha no meio da linha.

Agora, quando saímos da curva começamos a entender que tínhamos confiado excessivamente, pois a YZ250F não consegue evitar uma pequena dúvida no regime médio, que não penaliza muito em áreas planas, mas saiu nas fortes subidas do circuito MC des Costieres. Parece que o aumento vertiginoso de voltas das versões anteriores do motor Yamaha invertido foi sacrificado um pouco, mas com o benefício de ter deslocado essa energia para a alta faixa de rotações.

A japonesa é agora uma MX2 mais pontiaguda, que claramente se estende mais do que antes e a faz com um maior senso de cavalaria. Também é claro que gosta de ser pilotada de forma mais agressiva, sempre com voltas altas e apressando cada marcha até o final, além de pedir o uso da segunda e até da primeira nas curvas mais apertados. 

Sem dúvida, a nova YZ250F vai encantar os adolescentes mais “acelerados” e usuários de alto nível, embora o bom para outros é que a Yamaha continua a oferecer grandes possibilidades de personalização gratuita em seu aplicativo móvel com o qual modificar o mapa do motor, e também agora com novas funções mais compressíveis e intuitivas para todos os usuários.

Em suma, a marca do diapasão conseguiu uma MX2 com uma secção de ciclo mais equilibrada e um motor mais competitivo. Por fim, a nova YZ250F 2024 estará disponível nos concessionários da Europa a partir de outubro, ao preço de 9.999 euros, na versão standard, e 10.199 euros na edição do 50º aniversário. 

Deixe seu Comentário

Conteúdo Recomendado

Comentários

[Fancy_Facebook_Comments_Pro language="pt_BR"]