Card image
Testes
Testamos a Duke 200, uma KTM de R$ 18.000

6 Minutos de leitura

  • Publicado: 24/05/2019
  • Atualizado: 24/05/2019 às 10:13
  • Por: Marcelo Barros

A bela KTM 200 Duke não é apenas visual. Ela agrada também pelos equipamentos e pelo consumo.

Nas ruas, até sair a atual geração da KTM 390 Duke, ninguém conseguia diferenciar a KTM 200 Duke da 390. A diferença ficava na cor do quadro e das rodas. Na 200, é tudo preto, e na 390 é tudo laranja. A 200 Duke na verdade nasceu primeiro. O projeto inicial da fábrica austríaca era para uma 125 cm³ e uma 200 cm³ dependendo do mercado, sempre com foco para Ásia e América do Sul, só depois esse mesmo chassi recebeu o motor 390 para atender países europeus.

Isso quer dizer que, desde o princípio, a KTM teve como intenção fazer uma moto de entrada já com suspensão invertida na dianteira, com pinça radial de quatro pistões (agora com ABS no modelo 19/19 para atender a legislação de freios) e com balança de alumínio na traseira.

Na verdade, seja 200, seja 390, ela é considerada uma moto de entrada em países europeus, diferentemente do que acontece por aqui, pois por R$ 17.900 no modelo 2019/2019, ainda que seja a mais barata da marca, ela não é exatamente uma moto de entrada, apesar dos 26 cv declarados.

 

Veja também:
Testamos a Yamaha Crosser 150 ABS, agora mais segura
A importância da moto na mobilidade urbana
Coluna do Barros: Afinal, por que escolhemos a moto?

Contudo, depois de uma semana pelas ruas e estradas de São Paulo, concluímos que ela tem seu espaço, mostrando-se uma interessante opção não só para os fãs da marca mas, principalmente, para jovens que não pretendem trabalhar como motofretistas e ou proprietários de motos grandes de alta cilindrada que estão à procura de uma segunda moto, pequena, para o dia a dia, e que não abrem mão de alguma diferenciação em estilo, equipamentos e até “status”.

Na verdade, a marca sempre teve espírito jovem. Desde o slogan Ready to Race (‘pronta para correr’ em português) até o visual e a agressividade da pilotagem, as laranjinhas sempre apelaram para a radicalidade, e essa 200 não é diferente. Linda, traz belas rodas de liga leve, guidão de alumínio, painel ultracompleto e freios e suspensões superdimensionados.

Apesar da pouca potência, a posição de pilotagem tem muito de supermotard, com o piloto bem próximo da roda dianteira, os braços abertos e as pedaleiras mais recuadas do que o normal para uma moto de 200 cm³. O freio dianteiro é absurdamente potente e as suspensões estão mais para curvas radicais do que para enfrentar a buraqueira da cidade.

Definitivamente não é uma moto de trabalho, daquelas que ficamos horas em cima sem se cansar. No banco falta espuma, não há muito espaço para se mover em cima dele e a vibração do conjunto cansa depois de um tempo. É uma moto para ser pilotada, não para ser conduzida. Outra constatação é que a autoestrada não é seu habitat natural.

Fizemos uma pequena viagem de 250 km com ela e não foi nada confortável. A 115 km/h parece que o motor já está pedindo pelo amor de Deus e tudo vibra muito, desde pedaleiras a guidão e banco, mas ela ainda tem fôlego para ir a 135 km/h e atingir cerca de 10.000 rpm. Há um quesito em que ela é surpreendente: a 110 km/h, em sexta marcha, fez excelentes 35 km/litro.

Na cidade, a média alcançada foi de 32 km/litro, ou seja, apesar do tanquinho de 11 litros, com uma média de consumo dessas, ela ganhou vários pontos e surge como mais uma opção de motocicleta econômica no mercado nacional. Levamos a moto para o dinamômetro e ela marcou, na roda, 22 cv a 10.000 rpm.

São cerca de 3 cv a mais que a nova Honda Twister 250. Ok, a Honda é arrefecida a ar e a KTM é arrefecida a líquido, mas na verdade a maior diferença entre elas (além do maior conforto da Honda) é que o motor da CB tem mais torque em baixas rotações, e isso nós comprovamos na prática.

A Dukezinha não tem tanto fôlego na arrancada e vai assim até os 6.000 rpm, exatamente a faixa de rotação que mais usada dentro da cidade. Não era para menos, com um motor de cabeçote DOHC que nasceu para motos de motocross e enduro de alto desempenho, adaptá-lo para uma moto urbana não foi fácil.

A maior dificuldade foi homologá-lo nas restritas leis antipoluição, que inclui também baixa emissão de ruídos. Portanto, o sistema de escapamento não é direto, os gases passam por uma grande “marmita” de aço, localizada entre o bloco do motor e a balança da suspensão traseira, e ainda, depois do acabamento oval original de aço inox, que entendemos ser uma pequena ponteira, soldaram uma pequena extensão tubular de aço. Estranho!

Pegue uma moto de enduro da KTM, ligue-a e sinta a diferença de ruído. A 200 Duke de fato atende a legislação do PROMOT, mas o ruído que sai pelo escape não é exatamente aquele que esperávamos. No entanto, acima dos 7.000 rpm o som muda e fica bem mais esportivo.

Pena que para isso precisamos de espaço e, dentro da cidade, quase nunca passamos dessa faixa de giro. Aliás, o câmbio mostra-se bem curto nas primeiras marchas. Arrancando do semáforo, em poucos metros, ainda a 60 km/h já estamos em quinta marcha. Se ela não é a moto mais confortável na estrada, em compensação, em uma estradinha vicinal ela dá aula de frenagem e estabilidade.

O quadro de treliça tubular de aço oferece extrema rigidez e precisão e as suspensões WP permitem deixar a moto bem estável mesmo no limite de inclinação. E que inclinação! Equipada com pneus Pirelli Diablo Rosso II de medida 150 na traseira, a 200 Duke é uma verdadeira motoescola para quem pretende um dia competir de supermoto.

Além da pinça radial de quatro pistões e o disco de 300 mm de diâmetro na dianteira, ela ainda está equipada com flexíveis revestidos de malha de aço. Esportividade ao máximo. Enfim, a moto é linda, divertida, eficiente e, pelo valor cobrado, é muito interessante.

Números da KTM Duke 200

No dinamômetro
Potência máxima: 22,1 cv a 10.000 rpm
Torque máximo: 1,7 kgf.m a 8.100 rpm

Potência específica: 110 cv/litro
Relação peso-potência: 5,9 kg/cv
Consumo no teste: 33 km/l

Conclusão

A Duke 200 é um modelo sob medida para quem quer uma moto econômica, de baixa cilindrada e não abre mão de divertir-se mesmo na rotina do dia a dia no trânsito. Ela é exclusiva e, apesar da pequena cilindrada e potência contida, a sua ciclística merece um piloto com “P” maiúsculo em seu comando e o prazer que ela proporciona ao guidão é muito superior ao das city 250 cm³ “tradicionais”.

O slogan ‘Ready to Race’ não é à toa! Seu ponto fraco acaba sendo mesmo a versatilidade, já que conforto e suavidade não são pontos fortes e isso acaba limitando a Duke a deslocamentos curtos. Se você tem outra moto para viajar, é uma ótima compra.

Texto original: Eduardo Zampieri
Fotos: Gustavo Epifanio