Card image
MOTO DE OURO
Triumph Street Scrambler é a Moto de Ouro entre as Clássicas

1 Minuto de leitura

  • Publicado: 05/06/2018
  • Atualizado: 21/01/2019 às 15:55
  • Por: Carlos Bazela

Triumph, Moto de Ouro, Categoria Clássicas, Street Scrambler, motos, naked, retrô, prêmio, Scrambler 1200, Royal Enfield, Bonneville Speedmaster, Classic 500, Harley-Davidson, Roadster, naked, off-road, clássica modernaA MOTOCICLISMO inciou a maratona de entrega das premiações do MOTO DE OURO 2018 e nós começamos justamente pela estreia do ano, a Categoria Clássicas. E a vencedora nesse segmento do mercado, de acordo com os votos dos nossos leitores, foi a Triumph Street Scrambler – confira o teste dela aqui. A moto, cujo visual remete aos modelos off-road das décadas de 1960 e 1970, desbancou a Royal Enfield Classic 500 e a Harley-Davidson Roadster, levando o troféu para casa.

Waldyr Ferreira, gerente geral da subsidiária brasileira da marca inglesa comemorou o prêmio e revelou que ele é o reconhecimento aguardado pela Triumph por todo o esforço que a fabricante vem conduzindo no line-up de Clássicas Modernas, não só no Brasil, como no mundo desde 2015. Outra boa prova desse foco nas motos retrô é o lançamento iminente da nova Scrambler 1200, já avistada rodando em testes lá fora.

“Estou muito satisfeito. O prêmio vem coroar o esforço que a gente tem feito desde 2015 com as clássicas globalmente. E no Brasil não tinha como ser diferente. Nosso compromisso com o esse segmento é tão forte que estabelecemos a meta de vender 1 000 clássicas em um ano”, comentou o executivo completando ainda que o plano da marca é abrir mais duas concessionárias até o fim do ano, terminando 2018 com um total de 17 revendas.

O sucesso dos modelos clássicos no País tem sido tão satisfatório para a Triumph, que a marca não descarta aumentar o line-up com a Bonneville Speedmaster. “Nós estamos monitorando o desempenho dela em outros mercados, que tem sido muito bom e não temos uma decisão fechada sobre essa moto ainda. Nem para o sim, nem para o não. Mas temos demanda tanto de concessionários como de clientes, então ela é uma possibilidade”, finaliza Waldyr Ferreira.