Responsive Menu
Generic selectors
Exact matches only
Search in title
Search in content
Search in posts
Search in pages

Honda, Pop 110i, Pop, cub, moto, city, CG, Honda CG, Honda Biz, Biz, SH 150i, Honda SH 150i, teste, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, polivalente,

Honda Pop 110i é show de robustez no dia-a-dia

Autor: Carlos Bazela


Honda Pop 110i, Honda, Pop 110i, Pop, cub, moto, city, CG, Honda CG, Honda Biz, Biz, SH 150i, Honda SH 150i, teste, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, polivalente,

A Honda Pop chegou no início de 2007 como uma aposta da Honda no momento em que alguns modelos chineses ganhavam espaço com as classes C e D entrando para o mercado consumidor de motocicletas. O seu conceito “espartana ao extremo, mas com qualidade Honda”. E seu preço no lançamento de R$ 3 990 deu certo, e, desde então, a Pop figura entre os modelos mais vendidos do Brasil, inclusive chegando a ser líder em alguns mercados do Nordeste. Em 2016, ela ganhou um tapa no visual — que buscou deixá-la com mais cara de moto e menos de cub —, e o motor carburado de 97 cm³ deu lugar a um de 110 cm³ com injeção eletrônica.

A proposta da Pop, entretanto, segue inalterada: ser uma moto “barata”, econômica no consumo de combustível e na manutenção e que enfrente condições de utilização bem duras, inclusive onde não há asfalto, com confiabilidade e robustez. Na prática, como comprovamos neste teste, ela é exatamente assim.

Veja também:
Honda renova a city CB 250F Twister para 2019
Honda X-ADV é revolução entre os scooter
Uma prova de fogo para o Honda SH 300i

Honda Pop 110i,, Honda, Pop 110i, Pop, cub, moto, city, CG, Honda CG, Honda Biz, Biz, SH 150i, Honda SH 150i, teste, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, polivalente,

Assim que subimos em uma Pop já começamos a sentir que estamos em um bicho diferente. A posição de pilotar é sentada, semelhante à de um scooter como o SH 150i, com as costas retas e os joelhos em um ângulo de 90°. O guidão é baixo, mas não tão estreito, já que é mais largo que o da Biz e até que o da CG. À nossa frente encontramos um painel simplório, em que o maior “luxo” é o útil indicador de velocidade máxima por marcha grafado dentro do próprio velocímetro.

Monocilíndrico urbano

Partida elétrica seria demais em uma moto que não tem sequer trava de guidão, mas fazer o motor funcionar com o anacrônico pedal é fácil, não exige força e a Pop pega de primeira. Aquelas manobras para estacionar ou para driblar algum carro quando o trânsito para são brincadeira. São apenas 87 kg de peso seco e a moto parece ser capaz de fazer uma volta em cima de um azulejo. Mesmo sendo uma peso-mosca, ela carrega um peso pesado e ainda sobra, já que a capacidade de carga declarada é de 150 kg.

Honda Pop 110i, Honda, Pop 110i, Pop, cub, moto, city, CG, Honda CG, Honda Biz, Biz, SH 150i, Honda SH 150i, teste, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, polivalente,

O motor de 110 cm³, com potência máxima de 7,25 cv a 6 800 rpm e um torque de até 1,10 kgf.m a 4 900 giros, verificados em nosso dinamômetro,  parece ter sido feito sob medida para a Pop, já que proporciona um desempenho mais que suficiente para trafegar com segurança até mesmo em vias urbanas rápidas. Claro que não é uma moto para viagens, mas, no plano, ela chega a 100 km/h no velocímetro e alcança 80 km/h mais rápido do que imaginamos. Pegamos alguns trechos curtos de estrada e ela se mostrou estável, tanto nas retas quanto em curvas. Só exige atenção com ventos laterais ao ultrapassar ou ser ultrapassada por veículos grandes. O câmbio de quatro marchas é bem escalonado, mas, diferentemente do da Biz, que é semiautomático (a embreagem é acionada pelo próprio pedal de câmbio), na Pop temos que usar o manete esquerdo a cada troca de marcha.

A ciclística da pequena Honda Pop 110i também vai muito bem e, em alguns pontos, parece — e é — até superdimensionada. O reforçado chassi monobloco e as suspensões foram projetados para aguentar uma utilização muito mais exigente do que simplesmente ir e voltar do trabalho por ruas asfaltadas. Superamos lombadas, buracos e calombos sem sentir em nenhum momento aquela batida seca acusando fim de curso. Em absorção de irregularidades e conforto, o comportamento das suspensões se assemelha muito ao das city… e é infinitamente melhor que o de um scooter.

Honda Pop 110i, Honda, Pop 110i, Pop, cub, moto, city, CG, Honda CG, Honda Biz, Biz, SH 150i, Honda SH 150i, teste, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, polivalente,

Peso-leve

Com um garupa de 70 kg, além de uma significativa perda de desempenho, notamos que a frente (que já é leve) sente bastante a transferência de peso, transmitindo uma sensação de flutuação que não é das mais agradáveis. O sistema de freios fica a cargo de um tambor de 110 mm em cada eixo, que dão conta do recado — pelo menos quando são novos, como a moto testada.

Em versatilidade, uma desvantagem da Pop diante das demais cub é que, mesmo com a roda traseira de 14”, ela não tem porta-objetos sob o assento. Ali debaixo, só o tanque de 4,2 litros, que, mesmo pequeno, garante uma autonomia de mais de 200 km graças ao consumo baixíssimo desta Honda. No teste, com um piloto pesado e sem nenhuma preocupação em economizar, ela fez 47,1 km/l, ou seja, em “condições normais”, é fácil passar de 50 km/l.

Honda Pop 110i, Honda, Pop 110i, Pop, cub, moto, city, CG, Honda CG, Honda Biz, Biz, SH 150i, Honda SH 150i, teste, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, polivalente,

No fim das contas, depois de alguns dias com a Honda Pop 110i entendemos melhor a razão de seu sucesso… além de me divertir e economizar alguns reais em gasolina. Ainda acho que os quase R$ 6 000 que custa para colocar uma na garagem é um pouco demais, considerando a sua simplicidade mecânica e o que (não) oferece em equipamentos, mas ela convence. A Pop 110i é o oposto de “bonitinha, mas ordinária”. Ela pode ser carente de beleza, mas tem qualidade e excelente naquilo que se propõe a ser e fazer.

Conclusão

Basta dizer “Pop” que muito motociclista abre um sorriso e lança uma piadinha sobre a moto. Garanto que 99% deles jamais pilotaram essa surpreendente Hondinha. Concordo que ela não tem um preço que salte aos olhos e que a economia nos equipamentos é até exagerada, mas quem tem a oportunidade de passar alguns dias com uma Pop 110i logo reconhece a razão dela fazer tanto sucesso no mercado. Alternativa ao transporte público e meio de transporte aonde o público não chega. Além do custo para mantê-la rodando quase irrisório, a marca ainda oferece 3 anos de garantia e trocas de óleo grátis.

Pontos positivos:

  • Robustez
  • Economia
  • Facilidade de pilotar

Pontos positivos:

  • Design
  • Ergonomia e disposição dos botões

Texto: Gabriel Berardi
Fotos: Renato Durães

Comentários


Motociclismo Online

Motociclismo Online

error: Content is protected !!