Card image
Notícias
Mundial de Motovelocidade pode voltar ao Brasil em 2021

3 Minutos de leitura

  • Publicado: 21/06/2018
  • Atualizado: 23/07/2018 às 18:57
  • Por: Carlos Bazela

MotoGP, Mundial de Motovelocidade, motos, motovelocidade, competições, Suzuki, Suzuki Ecstar, contrato, Autódromo Nelson Piquet, Brasil, Deodoro, Rio de Janeiro, RJ, JR Pereira, Rio Motorsports, Carmelo Ezpeleta, Dorna Sports, Luiz Fernando Mendes de Almeida, Luiz Fernando de Almeida Neto, Aprilia, GSX-RR, Andrea Iannone, Jorge Lorenzo, Honda, Ducati, Yamaha, Movistar, Repsol, Pramac, Avintia, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, Tito Rabat, Cal Crutchlow, Valentino Rossi, Hafizh Syahrin, Johann Zarco, Danilo Petrucci, Dani Pedrosa, Maverick Viñales, Dorna, GP do Brasil, prefeitura do Rio de JaneiroNa última semana, a foto ao lado apareceu no site oficial do Mundial de Motovelocidade e encheu de esperança os fãs que sonham com o dia que o campeonato voltará a ter uma etapa no Brasil. JR Pereira, COO da Rio Motorsports, Carmelo Ezpeleta, CEO da Dorna Sports, organizadora do Mundial, Luiz Fernando Mendes de Almeida, Diretor Geral da Rio Motorsports e Luiz Fernando de Almeida Neto, Presidente da Rio Motorsports, se reuniram na Espanha paea a assinatura de um acordo preliminar que prevê a estreia de um GP do Brasil no calendário do evento já em 2021.

O que deixou todo mundo ainda mais entusiasmado é que o evento voltaria ao Rio de Janeiro em uma nova pista ainda a ser construída, uma vez que o Autódromo Nelson Piquet, em Jacarepaguá, foi demolido em 2012 como parte das obras das Olimpíadas de 2016. “O povo do Rio sempre recebeua a MotoGP com grande entusiasmo e estamos felizes com o interesse da Dorna em voltar ao Brasil e pela sua confiança em promover o evento em uma pista que esperamos construir na cidade”, comentou JR Pereira.

“Nós adoraríamos ver a MotoGP retornando ao Brasil. Nós temos um esporte bastante globalizado, tanto no paddock, quanto no grid e adicionar um novo país ao calendário é algo que sempre aspiramos. Seria um prazer para a MotoGP correr em um país conhecido por sua paixão e atmosfera incrível”, disse Carmelo Ezpeleta, chefão da Dorna. A última etapa do Mundial de Motovelocidade que aconteceu no Brasil foi em 2004.

MotoGP, Mundial de Motovelocidade, motos, motovelocidade, competições, Suzuki, Suzuki Ecstar, contrato, Autódromo Nelson Piquet, Brasil, Deodoro, Rio de Janeiro, RJ, JR Pereira, Rio Motorsports, Carmelo Ezpeleta, Dorna Sports, Luiz Fernando Mendes de Almeida, Luiz Fernando de Almeida Neto, Aprilia, GSX-RR, Andrea Iannone, Jorge Lorenzo, Honda, Ducati, Yamaha, Movistar, Repsol, Pramac, Avintia, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, Tito Rabat, Cal Crutchlow, Valentino Rossi, Hafizh Syahrin, Johann Zarco, Danilo Petrucci, Dani Pedrosa, Maverick Viñales, Dorna, GP do Brasil, prefeitura do Rio de JaneiroDe acordo com informações do Globoesporte.com, o projeto do novo autódromo foi entregue no início deste mês à prefeitura do Rio de Janeiro para apreciação. E ele não é pouca coisa. Orçado em R$850 milhões, desembolados pela iniciativa privada, o traçado será construído – se aprovado – no bairro de Deodoro, em um terreno cedido pelo Exército. Desenhada pelo alemão Hermann Tilke, a pista terá 5 386 metros com 20 curvas e capacidade para 80 mil pessoas nas arquibancadas. As obras começariam no início de 2019 com previsão para levar 16 meses até a conclusão.

Entretanto, já em agosto poderemos ter uma definição se o autódromo vai sair do papel ou não. Agora que tem o projeto em mãos, a prefeitura do Rio vai levar entre 40 e 60 dias para publicar um edital esperando interessados em uma concorrência. Se houver, a administração vai levar mais 15 dias para anunciar um vencedor. Já estamos na torcida desde já.