Card image
Notícias
Kawasaki faz dez anos de Brasil com novidades

3 Minutos de leitura

  • Publicado: 12/06/2018
  • Atualizado: 23/07/2018 às 18:51
  • Por: Carlos Bazela

Kawasaki, Ninja, Z900, Z900 RS, motos, naked, dez anos, comemoração, novidades, esportiva, H2, H2 Carbon, H2 SX, retrô, lançamento, preço, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, Casa de Akashi Na noite da última quinta-feira, a Kawasaki convidou a imprensa especializada para uma noite de celebração. E o motivo foi bastante especial: a subsidiária brasileira da Casa de Akashi comemorou dez anos de atuação no Brasil e falou sobre os rumos futuros, mas o ponto alto da festa foi a apresentação da naked retrô Z900 RS. A moto, que já havia sido confirmada para o Brasil pela Kawa na última edição do Salão Duas Rodas agora tem preço e data pra chegar. O modelo, já produzido aqui, estará nas concessionárias em 01 de julho pelo preço de R$ 48 990 sem as despesas de frete.

O modelo, que presta homenagem à Z1, precursora da famosa linhagem de nakeds da marca verde, reúne modernidades como o propulsor injetado, freios ABS, embreagem deslizante e controle de tração com dois níveis de atuação. Tudo isso embalado em um visual que parece saído diretamente das ruas da década de 1970.

O design simples encanta aos mais puristas, mas os detalhes chamam a atenção de quem gosta de tecnologia. O farol arredondado é composto por vários conjuntos de LEDs com intensidades diferentes para iluminação diurna e noturna. Já o escape único do lado direito tem desenho minimalista, mas foi “afinado” por meio de um estudo aprofundado por parte da Kawasaki até encontrar o som que mais agradasse aos motociclistas.

Kawasaki, Ninja, Z900, Z900 RS, motos, naked, dez anos, comemoração, novidades, esportiva, H2, H2 Carbon, H2 SX, retrô, lançamento, preço, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, Casa de Akashi A mesma coisa acontece com o painel, que traz dois mostradores analógicos e, acomodado entre eles, um funcional display digital com fundo escuro e diversas informações expostas em branco, como indicador de marcha engatada, combustível, termômetro, relógio, quilometragem percorrida e dados do controle de tração. O coração da Z900 RS é o mesmo tetracilíndrico de 948 cm³ de arrefecimento líquido com comando duplo no cabeçote (DOHC). Mas, com potência máxima reduzida de 125 para 111 cv a 8.500 rpm, enquanto o torque máximo se mantém nos 10 kgf.m da Z900 que conhecemos, mas chega mais cedo, aos 6.500 giros.

O quadro é tubular tipo diamond e as suspensões se dividem em garfo dianteiro invertido e balança traseira com link, ambos com ajuste na compressão e retorno, bem como na pré-carga da mola. Nos freios, discos duplos dianteiros de 300 mm e solo de 250 mm com ABS de série ficam encarregados de parar a naked.

Ainda na ciclística, Z900 RS oferece posição de pilotagem, mais confortável do que a Z900 por conta do guidão mais alto e mais aberto e também das pedaleiras posicionadas 20 mm mais abaixo e mais avançadas no quando em relação ao modelo esportivo.

Ninja H2 SX a caminho

E não é só a Z900 RS que está chegando. Nos bastidores, a MOTOCICLISMO obteve a informação de que a turbinada sport-touring Ninja H2 SX também pode chegar às revendas ainda em 2018. De acordo com fontes, a moto já está no Brasil – onde chegará importada, e segue em processo de homologação no Departamento Nacional de Trânsito (Denatran).

A boa notícia é que, como acontece lá fora, o modelo deve ser mais em conta do que a superesportiva Ninja H2 e sua família. Para se ter ideia, nos Estados Unidos, a versão standard da moto sai por 19 mil dólares, o que corresponde a pouco mais de R$ 61 mil em conversão direta, sem impostos.

Já a versão SE, que adiciona ao pacote o câmbio quickshift, painel TFT, manoplas aquecidas, um para-brisa maior, aquecedor de manoplas luzes adaptativas para curvas, tomada para recarga de equipamentos e a tradicional cor verde custa 22 mil dólares, que é pouco mais de R$ 70 mil. Por lá a H2 convencional é vendida por 28 mil dólares (por volta de R$ 90 mil) e o preço sobe para 31 mil dólares (cerca de R$ 100 mil) na versão Carbon. Nosso palpite aqui na MOTOCICLISMO é que a Kawasaki deverá trazer apenas a top de linha SE por um valor entre R$ 120 mil e R$ 130 mil.