Card image
Especiais
Provamos o Tricity, o scooter de três rodas da Yamaha

2 Minutos de leitura

  • Publicado: 15/02/2017
  • Atualizado: 15/02/2017 às 17:02
  • Por: admin

<p>Na última sexta-feira, dia 10, tivemos a oportunidade de acelerar o Yamaha Tricity na pista do Haras Tuiuti, em Tuiuti (SP).</p>

<p><img alt="Jeitão de scooter, mas com três rodas, esse é o Yamaha Tricity" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/yamaha_tricity_125_2_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>Com o sistema batizado pela Yamaha de <strong>LMW</strong> (Leaning Multi Wheel ou "Multiplas Rodas Inclinadas" em uma tradução livre) o moderninho scooter de três rodas (uma traseira de 12" e duas na dianteira de 14") faz sucesso na Europa, <strong>mas o modelo que provamos no Brasil foi a versão 125.</strong></p>

<p>No exterior, ele <strong>já ganhou atualização em maio de 2016,</strong> com freio ABS, roda traseira maior, de 13 polegadas e<strong> o motor de 155 cm³, com 15,1 cv de potência máxima </strong>(o 125 tem 11 cv)<strong>, </strong>o mesmo propulsor do conhecido scooter NMax — a versão 125 também foi atualizada e segue sendo comercializada na Europa. </p>

<p><img alt="O diferencial do Tricity: as rodas de liga leve de 14&quot; com freio a disco e suspensão independente" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/yamaha_tricity_125_rodas_620x467.jpg" style="margin: 0px auto; display: block; width: 620px; height: 467px;" /></p>

<p><strong>No contato que tivemos com a versão 125</strong>, sentimos que um motor maior seria bem vindo. Faltou desempenho, mesmo dentro da proposta dele de deslocamentos na cidade. A suspensão dianteira se comportou bem no circuito, mesmo com alguns abusos.</p>

<p>Sendo bem criterioso, aumentar a viscosidade do óleo da suspensão dianteira deixaria ela respondendo um pouco melhor as irregularidades, mas só sentimos isso quando andamos muito rápido com ele — e não foi projetado para alto desempenho. Nas velocidades limites das cidades, ele é 100% eficiente e torna o ir e vir ainda mais tranquilo do que em um scooter de duas rodas.</p>

<p><img alt="O foco desse scooter de 3 rodas é proporcionar mais estabilidade na pilotagem" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/tricity_125_teste_motociclismo_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p><strong>A Yamaha não tem previsão de trazer esse produto ao Brasil</strong>, mas se fizer, <strong>só será viável sendo nacionalizado</strong>, pelo alto custo da estrutura da suspensão dianteira, <strong>onde as duas rodas inclinam juntas e garantem ainda mais estabilidade nas curvas</strong> — uma tecnologia que a Honda ainda não tem em nenhum produto comercializado no planeta.</p>

<p><img alt="Yamaha Tricity 155, lançado em 2016 na Europa" height="467" src="http://carroonline.terra.com.br//motociclismoonline/staticcontent/images/uploads/tricity_155_yamaha_620x467.jpg" style="margin:0 auto; display:block;" width="620" /></p>

<p>A roda extra pode ser<strong> fator chave para convencer motoristas cansados de ficar presos no trânsito</strong> a trocarem o carro pelo scooter de três rodas. <strong>Quem tinha medo de ficar em duas rodas poderá ser convencido pelo carismático Tricity</strong> e depois migrar para os demais modelos da marca ou do mercado, mas… Traz ou não traz o Tricity, Yamaha?</p>