Card image
Testes
Royal Enfield Himalayan é trail com personalidade

5 Minutos de leitura

  • Publicado: 01/01/2019
  • Atualizado: 01/01/2019 as 14:58
  • Por: Carlos Bazela

Motos, Royal Enfield, Himalayan, Clássicas, trail, aventureira, Continental GT,Classic 500, Bullet 500, motos, números, Brasil, vendas, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, motocicletas

A indiana Royal Enfield está fazendo um importante esforço para se firmar como uma marca global, e o que aconteceu no Brasil é um bom exemplo disso, já que faz pouco mais de um ano contamos com uma concessionária da marca fazendo um trabalho sério, com várias ações apresentando a marca e seus produtos. O volume de produção da Royal é enorme e no ano passado a marca produziu cerca de 700 000 motocicletas em sua gigantesca planta na cidade de Chennai, na India. Mas a Royal Enfield não quer parar por aí e a maior prova disso é o Centro de Design e Desenvolvimento que eles têm na Inglaterra, fundado com o objetivo de criar modelos que atendam os gostos e necessidades dos motociclistas ocidentais.

A Himalayan é o primeiro fruto desse novo centro no Reino Unido. Trata-se de uma trail de aspecto muito robusto equipada com um novo motor monocilíndrico de 411 cm³ de configuração bem clássica, isto é, com arrefecimento a ar, comando simples no cabeçote (OHC) e uma caixa de câmbio de cinco marchas. Os números de potência e torque são 25 cv a 8 500 rpm e 3,3 kgf.m a 4 500 giros, respectivamente.

Motos, Royal Enfield, Himalayan, Clássicas, trail, aventureira, Continental GT,Classic 500, Bullet 500, motos, números, Brasil, vendas, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, motocicletas

Veja também:
Royal Enfield Himalayan chega ao Brasil no início de 2019
A Himalayan e a vocação off-road da Royal Enfield
Royal Enfield lança edição especial da Himalayan

É uma moto desenvolvida para suportar uma condição de utilização bastante dura em qualquer terreno. Para isso, conta com suspensões de longo curso, rodas raiadas de 21” e 17” e freio a disco nas duas rodas. Por outro lado, o design é meio “industrial”, pensado justamente para aguentar o tranco e que seja resistente a pequenas quedas. Assim, o farol dianteiro foi instalado mais elevado que o normal e nas laterais do tanque encontramos barras de proteção. O silenciador do escape, do lado direito, também é elevado. Considerando o seu porte e a proposta “heavy-duty”, a Himalayan não é tão pesada. Em ordem de marcha a marca divulga 182 kg.

Motos, Royal Enfield, Himalayan, Clássicas, trail, aventureira, Continental GT,Classic 500, Bullet 500, motos, números, Brasil, vendas, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, motocicletas

Em linhas gerais, assim é a nova Himalayan 410, uma trail metade para o asfalto, metade off-road, que causou grande expectativa e está surpreendendo pelas vendas na Europa, onde tem preço fixado em 4 395 euros (pouco mais de R$ 19 500).

Como é andando

A Himalayan é um pouco alta e precisamos levantar bem a perna para passar por cima do banco e sentar nela. Uma vez realizada a operação, as coisas mudam e notamos a moto mais compacta, e não é difícil chegar com os pés ao chão. O banco é bem confortável e a sua forração é agradável. O acabamento geral é simples e bom ao mesmo tempo. Toda a fiação e cabos estão organizados e nenhum detalhe parece fora de lugar ou causa má impressão. Assim que pressionamos o botão de partida, o motor acorda de imediato, e a primeira coisa que chama a atenção é a ausência de vibrações em baixas rotações. O som grave é típico dos monocilíndricos, a embreagem é leve e a primeira marcha entra de maneira suave e silenciosa.

Motos, Royal Enfield, Himalayan, Clássicas, trail, aventureira, Continental GT,Classic 500, Bullet 500, motos, números, Brasil, vendas, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, motocicletas

A primeira impressão é realmente boa. Manobrando a baixa velocidade notamos como a direção esterça bem e é fácil manter o equilíbrio. O tato geral também agrada, e aceleramos… A resposta é contida, mas constante, e como um bom monocilíndrico, o motor vai de mais a menos. Fica claro que ele não transborda potência, mas empurra de maneira bem aceitável, com uma primeira marcha curta, e nos leva com alguma sobra, tendo em conta que a sua velocidade máxima ronda os 130 km/h. Desse modo, o seu ambiente são as estradas sinuosas sem muitas retas e que nos permitem brincar com o câmbio de cinco velocidades bem escalonadas e de engates corretos. Em quinta marcha a 120 km/h o motor gira a 6 000 rpm e percebemos que ele não está muito confortável com isso, tanto pelas vibrações que chegam a nossos pés quanto pelo ruído mecânico que chega a nossos ouvidos. Pelo que comprovamos nesta apresentação, a velocidade de cruzeiro ideal são 110 km/h. A esse ritmo nos sentimos bem protegidos atrás do “escudo” formado por farol, painel de instrumentos e para-brisa, sendo esse último bem envolvente e que desvia bem o vento da área do capacete.

Moderna

Apesar do bem resolvido estilo vintage, a Himalayan funciona e se comporta como uma moto moderna. Com a colaboração da prestigiada Harris Performance no desenvolvimento do chassi e acerto da ciclística, o resultado é uma moto de comportamento surpreendente, tanto no asfalto quanto na terra. Os excelentes pneus Pirelli MT 60 ajudam muito nesse sentido, mas o destaque maior vai para as suspensões.

Motos, Royal Enfield, Himalayan, Clássicas, trail, aventureira, Continental GT,Classic 500, Bullet 500, motos, números, Brasil, vendas, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, motocicletas

As bengalas dianteiras, apesar do grande curso de 200 mm, não resultam macias demais no asfalto e absorvem tudo no off-road, sem fim de curso, mesmo em ritmo forte. O monoamortecedor traseiro, com bieletas, também vai bem nos dois ambientes, transmitindo conforto e confiança para o piloto. No quesito freios, sentimos falta de um pouco mais de potência no dianteiro, o que obriga a nos apoiar mais no traseiro, contudo, nada que comprometa.

Se as cabeças lá na Índia conseguirem entender as particularidades de nosso mercado — que é diferente do europeu e ainda mais do indiano — ou, melhor ainda, souberem aproveitar toda a expertise do seu concessionário no Brasil (que vem fazendo um ótimo trabalho), a Himalayan tem todas as credenciais para fazer bastante sucesso por aqui. Tem preço, o produto é bom e chega para atuar em um segmento sem concorrentes diretos.

Motos, Royal Enfield, Himalayan, Clássicas, trail, aventureira, Continental GT,Classic 500, Bullet 500, motos, números, Brasil, vendas, motociclismo, Motociclismo Online, Revista Motociclismo, motocicletas

Primeira impressão

Sem grandes alardes, a Himalayan é uma trail interessante, bem desenhada em linhas gerais e com um funcionamento mais que correto. Está claro que é uma moto para ser curtida naqueles passeios sem pressa, seja por estradas ou por caminhos sem asfalto. Entendendo a sua proposta e que não se trata de uma maxitrail devoradora de quilômetros, ela pode levar você muito longe. O seu tato geral é bom, a caixa de câmbio funciona impecavelmente e o conforto é ótimo graças a um assento muito cômodo, a um para-brisa que nos protege bem e às suspensões que absorvem as irregularidades. Ainda que o design seja do tipo “ame ou odeie”, os acabamentos são bons e ainda trata bem o garupa, permitindo inclusive montar malas laterais opcionais.

Texto: Gabriel Berardi e Victor Gancedo
Fotos: Javier Martínez