Saiba o que mudou na nova geração da Yamaha MT-09

Autor: Motociclismo


Aproveitando a necessidade de adequar a emissão de poluentes ao Euro4, que passou a vigorar na Europa em janeiro, a Yamaha atualizou uma de suas naked mais importantes: a MT-09, que foi apresentada durante o Intermot 2016, na Alemanha. 

Ela não mudou muito “por dentro” — quando falamos de motor e ciclística — ainda que tenha recebido aprimoramentos além do novo visual, para superar a versão anterior em alguns pontos. 

MT-09 passou por mudanças visuais e pequenos ajustes técnicos

No design, a mudança foi mais radical, mais alinhado com a musculosa MT-10. São muitos os novos detalhes, mas o destaque é o novo farol, em LED, praticamente o mesmo da MT-10.

O assento também é novo, 5 mm mais alto que o anterior, com mais espuma para aprimorar o conforto. Como o subchassi está quase 20 mm mais curto, o assento também está um pouco mais estreito na parte dianteira, então ficou mais fácil alcançar o chão com os dois pés e conseguirmos "abraçar" melhor o tanque com os joelhos — e os baixinhos agradecem!

Novo visual da MT-09 foi inspirado na MT-10 e ficou ainda mais radical!

MAIS EQUILÍBRIO
Chassi e balança seguem os mesmos, mas as suspensões foram revisadas e apresentam um comportamento sensivelmente melhor. A dianteira ganhou ajuste de compressão, o que nos parece fundamental para conseguir extrair todo o potencial desta moto.

Com isso, agora é possível ajustar a velocidade com que o garfo se comprime nas frenagens fortes, proporcionando um comportamento muito mais equilibrado quando pilotamos esportivamente. Os ajustes de pré-carga e extensão das molas seguem inalterados — regulagens importantes, especialmente em uma moto que possui um curso de suspensões pouco maior que o habitual na categoria. 

Nova suspensão dianteira é melhor e ganhou regulagem de compressão

Atrás, a evolução também é sentida quando rodamos com a renovada MT. O amortecedor recebeu nova calibragem, que somada à progressividade proporcionada pelas bieletas, evitam a instabilidade que o modelo anterior apresentava quando saíamos de uma curva fechada acelerando forte.

Com esse novo pacote de suspensões, sumiu aquela sensação de excesso de flexibilidade anterior, e o comportamento da moto está muito mais neutro, até porque os freios continuam acima da média: potentes, consistentes e com ótimo tato.

Rodas amarelas aumentam o DNA esportivo da MT-09

MESMO MOTOR, MAS APRIMORADO 
Entre os muitos elementos que dão personalidade à MT-09, o motor tricilíndrico em linha arrefecido a líquido e 847 cm³ é provavelmente o que mais se destaca.

Continua absolutamente igual, com os mesmos componentes, modos de potência e controle de tração, mas, agora, soma-se a esse ótimo pacote um novo sistema de antibloqueio para a embreagem e um câmbio semiautomático (QSS) para subir de marchas com maior rapidez.

O design da traseira da nova MT-09 ficou mais agressivo e o porta-placas agora está em um suporte próximo a roda

O torque que o motor entrega a baixas rotações é espetacular, catapultando a MT-09 para a frente nas arrancadas, no entanto, a suavidade nas respostas continua não sendo o seu ponto forte.

A resposta ao acelerador é imediata, transmitindo potência e torque para a roda traseira ao mais mínimo movimento no acelerador, independentemente do modo de potência selecionado (A, B ou Std). Depois, sim, enquanto os giros sobem, sentimos uma entrega mais suave se optarmos pelo modo B, mas igualmente arisca nos modos A e Standard. 

Com design mais atual e um comportamento ainda melhor, a nova geração deve atrair mais fãs para a Yamaha

Toda essa contundência a que nos referimos é, sem dúvida, um dos pontos fortes da moto já que nos proporciona altas doses de diversão, no entanto, pode ser um pequeno inconveniente para aqueles que gostam de uma pilotagem “fina” ou quando estamos no anda e para urbano.

Seja como for, esse comportamento é intrínseco à configuração do tricilíndrico, com intervalo de ignição defasado em 120° e que, em boa parte, nos faz lembrar do “crossplane” da R1. 

Qual a melhor condição de uso da MT-09? Estrada livre e com muitas curvas

Por sua vez, a nova embreagem antiblocante funciona de modo impecável, assim como o câmbio semiautomático, especialmente ao subir de marchas perto da rotação de corte e com o acelerador todo aberto. Em médias e baixas rotações o acionamento do câmbio também é preciso, mas mostrou-se um pouco mais duro que o ideal.

Resta aguardar a chegada da nova MT-09 aqui ao Brasil, o que deve acontecer até o início do segundo semestre, mas pode ser que a Yamaha guarde ela para o Salão Duas Rodas 2017. Hoje, com visual “antigo” mas já como modelo 2017, o preço sugerido da MT-09 pela Yamaha é de R$ 39 945. 

CONCLUINDO...
Além da atualização visual, com o novo assento e os acertos nas suspensões, a nova MT-09 ganhou em ergonomia e comportamento. Sentimos como se estivéssemos mais integrados ao conjunto graças à nova posição de pilotagem. Aumentou a sensação de controle sobre a moto, que ficou mais convidativa para explorar o grande potencial esportivo do tricilíndrico com arquitetura similar ao da R1.

Para ler a avaliação com a MT-09 que é comercializada no Brasil, clique aqui Para saber mais sobre a MT-10, que inspirou o visual desta nova geração — e ainda não chegou no Brasil —, clique aqui. 


Comentários