Marcas brasileiras cruzam o oceano para expor no EICMA

Autor: Carlos Bazela


André Fiorese, Luciane Passaia e Renan Vicari, da Rinaldi

Uma semana antes do Salão Duas Rodas, maior evento do segmento no Brasil, algumas marcas de vestuário, peças e acessórios cruzaram o oceano para expor seus produtos no EICMA, o maior salão do mundo para veículos de duas – e às vezes até mais – rodas. Um bom motivo para a expansão são os números do mercado europeu. De acordo com a ACEM, Associação Europeia de Fabricantes de Motocicletas, os primeiros nove meses de 2017 registraram 1.051.606 motos licenciadas. A título de comparação, no Brasil, a Abraciclo, Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares, registrou um total de 640.063 unidades emplacadas no mesmo período.

Um exemplo é a Rinaldi, fabricante gaúcha de pneus e pela terceira vez no evento, embora já seja veterana na Europa. “Temos bastante história aqui com a Rinaldi. Portugal e Espanha são lugares pra onde a gente vende há muitos anos”, comenta Renan Vicari, do departamento de exportação da empresa.

“O estande virou ponto de encontro de todos os nossos clientes na Europa e a presença da Rinaldi no evento traz novas possibilidades de mercado. O objetivo principal é aumentar a nossa atuação em solo europeu, que cresce cada vez mais”, concluiu Vicari, dizendo ainda que no ano que vem, a Rinaldi deve vir forte para o Velho Mundo com pneus para scooters.

Wellington Valadares, da IMS

E também teve quem optou por vir para a Itália ao invés expor no Brasil, caso de Wellington Valadares, diretor presidente da marca de vestuário IMS, oriunda de Indaiatuba (SP) e que está debutando no evento aposta na qualificação do público europeu. “No Brasil, o mercado off-road é maior que aqui, mas o visitante do salão não vai para ver coleções, ele vai para ver moto. Aqui não, ele vem ver tudo relativo ao segmento, ele vem ver as coleções também, finaliza o executivo, que ainda coloca os custos e o tratamento como fatores da escolha. “Aqui, o pessoal tem bastante respeito com quem tem um estande pequeno”.

 

 

 

Preço versus qualidade

Renato Borilli e Pérsio Mattos, da Borilli

Outra marca de pneus presente expondo aqui na Itália é a Borilli. “É nossa primeira vez aqui, mas já estávamos nos preparando para isso tem um ano, Não foi algo que fizemos de paraquedas”, comenta o diretor da marca, Renato Borilli.  

Sobre preparação, o diretor ressalta a tradução do site para o inglês e das peças publicitárias para divulgar os produtos. “Isso foi crucial. Assim conseguimos divulgar nossos quatro tipos de pneus diferentes”, comenta Borilli sobre os produtos EXSS, para hard enduro, MX, para motocross e as versões soft e standard do EXC para enduro. “Para entrar no mercado europeu, o produto tem que ter muita qualidade ou ser muito barato. O nosso é o primeiro caso” afirma Pérsio Mattos, do Departamento Internacional da Borilli.

Renato Breda, da Circuit

Renato Breda, fundador da Circuit, marca de equipamentos e acessórios, que atua há mais de duas décadas na Europa e tem sede em Bérgamo, na Itália, concorda. “Essa questão do preço existe, mas o europeu, de modo geral, preza muito a qualidade. O brasileiro não tem muito isso”, diz ele, acrescentando que, no Brasil, o visual e o valor cobrado costumam ser pontos mais decisivos para compra de produtos de um modo geral.

Breda ainda ressalta outra particularidade do mercado europeu: a colaboração. “O mercado aqui é extremamente competitivo. Tem várias empresas fazendo o mesmo que eu faço, mas existe uma colaboração. Muitas vezes eu almoço com um concorrente e nós conversamos sobre o mercado”, finaliza ele, que também já confirmou a presença da Circuit no Salão Duas Rodas.

Fotos: Carlos Bazela e divulgação


Comentários